Monday, 12 October 2009

I'm not a flirty person!

Cheguei a uma triste mas verídica conclusão – eu não sou um “flirty being”. Que raio de ser possuidor de curvas corporais (não tão reduzidas quanto isso) sou eu, incapaz de atrair os seres parcialmente “brain-dead” do outro lado da fronteira? Seriously, agora que penso nas minhas coisas amorosas (chamemos-lhe coisas amorosas que o nome relacoes tem um peso muito grande), vejo que eu nunca fiz nada! Rigorosamente nada! E eles vinham! E agora, que sou confrontada com este cenário decadente de 40 miúdas a minha frente de mini saia a abanar tudo e mais alguma coisa, não me adianta muito ficar sentada (de pernas fechadas) a pestanejar e a sorrir inocentemente pois não? Pois não, mas e a única coisa que sei fazer, foi a única coisa que fiz ate agora.
O cenário e o seguinte: Night-club, gente muito muito alterada por todos os lados – e de repente, do nada – a gente alterada que estava por todos os lados começou a arrumar-se para canto (aos pares). Fui a casa de banho, voltei, a gente continuava arrumada pós cantos (com pares diferentes). Mais dez minutos e já havia mais novidade no dance-floor – uma espécie de speed dating mas com o full speed para chegar onde interessava. Eu, depois de ter sido agarrada por um miúdo que 5 segundos depois de me tentar beijar, estava a nadar no próprio jantar, encostei-me a canto – sozinha. Sentou-se um rapaz ao meu lado. Não estava alterado, bom sinal. Não puxou conversa, mau sinal. Flirt it is (nesta altura ainda não tinha chegado a conclusão que o flirt não era para mim).

-Not you’re kind of party?
-Not really. I like being around people how’ll remember my name by the next morning. Sorry, Dan.
-Elle, nice to meet you.
-Are you having a good night?
-Yeah, not my cup of tea either. What do you want from life, Dan?
- What do I want from life? Well, I want to be successful in my work, healthy and above all, to be loved.
- Big want.



Números de telefone foram trocados, mensagens também. Ele mostra interesse. Depois corta. Tenta beijar-me. Afinal vamos ter que remarcar a saída. “Will you get home ok? Want me to take you?”. Não me responde as mensagens...
Chego a conclusão que não sou um flirty being. Mas fuck, ele começa a ser mesmo interessante.



1 comments:

M. said...

Adorei o tom forte, irónico, maduro.
Não tens de ser uma flirty person. Mas talvez não chegue pestanejar, E. ;p
E big want, de facto!

Um beijo, dos grandes.

Post a Comment